Historia

Nossa história


Um legado de inovação a partir do pouco,
com sustentabilidade e economia.

A equipe Milhagem UFMG foi fundada em 2005 por Paulo Iscold, professor de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Minas Gerais. Em sua primeira participação na Maratona de Eficiência Energética, que aconteceu na cidade de Indaiatuba- São Paulo, Iscold capitaneou a equipe formada por alunos de graduação e pós-graduação em Engenharia, que logo na estreia conquistou o vice-campeonato com o protótipo CEA M-1.

M4

A Maratona reunia grupos de estudantes de instituições de todo o país, e em 2006 o  Milhagem também foi um dos grandes destaques do evento. Na ocasião, o conquistamos o recorde nacional e atingimos a marca de 598 km/L de gasolina.

Após um período sem atividades, o Milhagem retomou os trabalhos em 2011 apenas com alunos de graduação. Com um protótipo movido a gasolina, a equipe participou novamente da Maratona Universitária de Eficiência Energética. Em 2011, o Milhagem terminou em  5° lugar e em 2013 em 4º, antes de realizar mais uma pausa.

O novo retorno às pistas ocorreu com a participação na Shell Eco-Marathon –  maior competição de eficiência energética do mundo – que ocorreu pela primeira vez no Brasil em 2016. A equipe apresentou protótipo M4 no Kartódromo Internacional Granja Viana, em São Paulo, conquistando o segundo lugar na categoria gasolina com a marca de 196km/L.

Após dois anos sem competições realizadas de forma presencial em função da pandemia de COVID-19, a equipe voltou a competir na Shell Eco-Marathon Brasil em 2022. Com o protótipo DT1, bateu a marca de 321km/kWh, e foi coroada com o primeiro lugar na categoria bateria elétrica. Em um ano repleto de desafios, o Milhagem atingiu a maior marca da história da equipe e representou com determinação a aplicação da eficiência energética

No início de 2023 a equipe viajou até Indianápolis, nos Estados Unidos, para participar da Shell Eco-Marathon Americas e colocar o novo protótipo DT2 na pista.

Com a expectativa de apresentar um veículo ainda mais eficiente que o campeão DT1, um imprevisto relacionado às condições climáticas da cidade impediu que o Milhagem fizesse uma marca válida em solo internacional. A decepção, no entanto, serviu de combustível durante os preparos para a Shell Eco-Marathon Brasil, sediada no Rio de Janeiro.

Em setembro, o Milhagem conseguiu superar o recorde da pista do Pier Mauá. A Equipe fez 367 km/kWh, e se consagrou campeão da categoria elétrica pela terceira vez em sua história. Esse resultado é fruto de um time resiliente e que acredita que pode ir cada vez mais longe